Contratransferência e os Mecanismos de Defesa do Analista

Objetivo

Propor uma reflexão e promover maior sensibilidade aos profissionais acerca desse assunto e a escuta analítica, apresentar casos e incluir a contribuição de teóricos contemporâneos que se debruçaram sobre o tema.

Público-Alvo

Estudantes e profissionais psicanalistas, psicólogos e terapeutas

Pré-requisito

Assistir o filme: Gênio Indomável (em Inglês: Good Will Hunting)

Diretor: Gus Van Sant . Produção Dezembro/1997 - Disponível na NETFLIX, Youtube e Googleplay.

Duração e Estrutura

Dia 23 de Novembro de 2019, Sábado, das 10 horas às 16 horas, com 1 hora de almoço.

Investimento

Geral: R$ 170,00
Profissionais e ex-alunos da SPP: R$ 125,00
Estudantes: R$ 116,00
Estudantes alunos da SPP: R$ 80,00


coordenação

MARIA LETICIA PUGLISI MUNHOZ - Mestre e Doutora pela USP, Psicanalista formada pela Sociedade Paulista de Psicanálise – SPP. Formada em direito pela PUC/SP. Cursos complementares atuais: no SEDES sobre Psicanálise e violência social e na Universidad Nacional Mar Del Plata/Argentina sobre Mediação de Conflitos: Intervenções e Ferramentas de Comunicação. Área de pesquisa: psicologia da diversidade/discriminação étnico-racial e de gênero, psicologia da branquidade (branquitude), mecanismo de defesa, transferência/contratransferência, violência e mediação de conflito.

descrição

Os Mecanismos de Defesa do Ego anunciados por Freud e aprofundado por Anna Freud e posteriormente debatidos por inúmeros intelectuais contemporâneos são de fundamental importância para o trabalho de
análise. É uma das formas de tornar visível ao analista a resistência do paciente e, por trás dela, as questões no indivíduo que são fundamentais a serem trabalhadas.

No entanto, para que o analista fique sensível à percepção desses processos, é essencial que o(a) profissional tenha bastante consciência a respeito dos seus próprios mecanismos de defesa. Essa é uma das principais razões da necessidade do analista submeter-se ao seu processo de análise. Sim, pois, o que acontece quando esses mecanismos são inconscientes? Como isso afeta sua atuação profissional?

A Contratransferência, por sua vez, é um instrumento valioso ao diagnóstico e processo de análise. No entanto, pode trazer prejuízo ao trabalho, quando não existe a consciência sobre a sua ocorrência. Por outro lado, quando se perceber a contratransferência acontecendo, ela pode ser muito útil para a evolução da análise e devolução desse processo. Nesse contexto, os mecanismos de defesa do analista podem prejudicar a sua percepção também sobre as Contratransferências.

Contudo, o ambiente de análise é composto por um campo em que o analista está implicado e que vai se alterando durante o processo.

estrutura do curso

• Os Mecanismos de Defesa do Ego
• Transferência e Contratransferência
• O trabalho do psicanalista com relação às contratransferências. As possibilidades da contribuição dessa ferramenta.
• O trabalho do psicanalista com relação aos seus mecanismos de defesa e as consequências para o bom desempenho.
• O “campo analítico”, o “terceiro analítico”, a “implicação do analista” no trabalho de psicanálise: Estudos sobre o pensamento Freudiano e autores contemporâneos que abordam o tema, especialmente Bion, Baranger, Ogden.

Trocas de experiências e reflexões sobre a teoria.

Metodologia:

Aula expositiva, Discussão de filme e Atividades práticas de dinâmica de grupo para reflexões e debates.

carga horária

5 horas.