Dúvidas Frequentes

A Psicanálise é um método de investigação psíquico criado por Sigmund Freud através da exploração do inconsciente. Sua finalidade é compreender o significado das nossas ações, emoções e produções imaginárias (sonhos, fantasias e delírios).
Para ser psicanalista é necessário possuir curso superior completo em qualquer área (pré-requisito), concluir o Curso Livre de Formação em Psicanálise (teoria e técnica), submeter-se à sessões de análise didáticas (durante o Curso e no início das atividades como psicanalista) e ser supervisionado por um psicanalista credenciado pela instituição formadora.
Dá-se o nome de análise leiga à psicanálise praticada por não médicos.
Nos primórdios da psicanálise, essa questão girava em torno do fato de que analistas não médicos não deveriam praticar a psicanálise. Freud publica então um artigo intitulado “A questão da análise leiga”, onde defende que a formação psicanalítica é específica, centrada nos conflitos psicológicos e oposta à formação médica, voltada exclusivamente para os aspectos orgânicos.
A questão tornou-se um pouco mais ampla, tendo em vista o avanço da psicologia. Podemos dizer então, que um analista leigo, nos dias atuais, é aquele que não possui formação em medicina ou psicologia.
Sim, qualquer pessoa com curso superior completo pode fazer formação em psicanálise, desde que observe todos os critérios exigidos para esse fim: formação teórico-técnica, análise pessoal e supervisão.
Elisabeth Roudinesco, historiadora e psicanalista francesa, retratou a condição atual da função: “A psicanálise passou a ser praticada não apenas por médicos e psiquiatras, mas por psicoterapeutas formados em psicologia. Depois de ter sido engolida pela psiquiatria, ela corria o risco de ser tragada pela psicologia e confundida com diferentes psicoterapias. Por isso, os psicanalistas reafirmaram vigorosamente a existência de suas próprias instituições, as únicas capazes de definir os critérios da formação psicanalítica”.
Nenhuma das três opções. É um curso livre e a formação é dada em institutos, sociedade ou associações, assim como a Sociedade Paulista de Psicanálise.
Por Curso Livre entende-se que não há reconhecimento do MEC (Ministério da Educação e Cultura) quanto à certificação, pois a psicanálise é uma disciplina não regulamentada no Brasil, assim como o é a acupuntura e foi a fisioterapia até há pouco tempo. Isso não significa que não seja reconhecida e respeitada, mas apenas que não há regulamentação ainda. Sendo assim, não existe a obrigatoriedade de todos os cursos de formação em psicanálise seguirem a mesma carga horária, disciplinas, tempo de duração, ou exigirem formação específica anterior.
Sim. O tripé fundamental para a formação em psicanálise é: curso teórico-técnico, análise pessoal e supervisão. É importante lembrar que um profissional em psicanálise não se forma sem ter passado por seu próprio processo psicanalítico (análise), onde se confrontará com suas próprias questões emocionais e iniciará seu processo de autoconhecimento. É impossível cuidar de um paciente sem ter feito análise anteriormente e experimentado na prática os benefícios do tratamento psicanalítico.
Sim. Ao término do Curso, é conferido um certificado de conclusão aos alunos que preencherem todos os critérios necessários para formação em psicanálise.
Teoricamente, ao término do curso, a pessoa estará apta a fazer o atendimento de pacientes. Contudo deve observar se está apto emocionalmente (com sua análise adiantada o suficiente para fazê-lo) e ainda sob a supervisão de um profissional/psicanalista mais experiente.
No Brasil e em todo o mundo, a psicanálise é exercida livremente, mesmo sendo uma profissão não regulamentada. Assim, é uma atividade livre, reconhecida pelo Ministério do Trabalho e Emprego (CBO - código 2515.50), amparado pelo Decreto nº 2.208 de 17/04/1997, que estabelece Diretrizes e Bases da Educação Nacional e pela Constituição Federal nos artigos 5º incisos II e XIII.